Essa matéria foi publicada originalmente pela Vogue americana e traduzida pela Vogue Brasil. Confira:

Quando Gisele Bündchen completou 40 anos em julho, ela decidiu plantar 40.000 árvores em homenagem ao seu aniversário e o número logo atingiu a meta de 250 mil mudas graças ao apoio de seus fãs.

Essa atitude é apenas a mais recente de uma longa linha de iniciativas ecológicas lançadas pela supermodelo brasileira, que é uma ativista ambiental há mais de uma década. Em 2009, Gisele foi designada Embaixadora da Boa Vontade do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e desde então vem ajudando a ONU a chamar atenção para as questões ambientais. Em sua função ela foi o rosto de várias campanhas da ONU e realizou missões de campo no Brasil e no Quênia.

De lá pra cá, Gisele vem falando do impacto devastador do desmatamento na Amazônia e recentemente serviu como produtora executiva do documentário da Netflix, ‘Kiss the Ground’.

Aqui, em um ensaio para a Vogue, Bündchen explica por que ela está determinada a deixar o mundo em um lugar melhor do que quando chegou, e como todos podem fazer sua parte quando se trata de lidar com a crise climática.

Aproveite e proteja o poder deste planeta

Nasci me sentindo profundamente conectada com a natureza que é o lugar que vou para me recarregar. Eu venho de uma pequena vila no sul do Brasil. Durante as férias escolares, minha mãe costumava deixar eu e minhas irmãs na casa da minha avó. Eu adorava visitá-la porque ordenhávamos as vacas pela manhã, recolhíamos os ovos das galinhas e ajudávamos a cuidar do jardim onde ela a cultivava vegetais e ervas. Minha avó tinha um grande apreço pela natureza e cultivava tudo o que comia – era bonito.

Embora eu tenha tido esse amor pela natureza minha vida inteira, tudo ganhou mais sentido quando visitei a floresta amazônica pela primeira vez em 2004 e percebi que, embora vasta, [a natureza] é muito mais frágil do que pensava. Passei um tempo com a tribo Kisêdjê na região do Xingu. Essas pessoas incríveis respeitam e estão em sintonia com a natureza. Eles vivem da natureza, mas não pegam mais do que precisam. Mesmo assim, sua sobrevivência estava ameaçada por causa do desmatamento e da mineração, que estava contaminando seu abastecimento de água.

Senti que precisava fazer algo para ajudar, então comecei a apoiar projetos para ajudar os indígenas que vivem na região, aqueles que entendem o valor dos recursos naturais. A única razão de estarmos vivos é porque a Mãe Natureza está nos dando tudo que precisamos para sobreviver. O que nós fazemos? Nós apenas pegamos. Nós, como humanos, acreditamos que tudo está aqui para nos servir, mas isso não é verdade. A terra é um ser vivo. É importante para nós entendermos a sorte que temos de viver neste lindo planeta com todos esses recursos incríveis.

A razão pela qual estou trabalhando para proteger o planeta é que quero servir à sobrevivência humana e à saúde de todas as espécies. Se nós não cuidarmos dos presentes que o planeta está nos dando, e se não vivermos em harmonia com todas as diferentes criaturas deste planeta, seremos nós que iremos embora. O planeta não precisa de nós para sobreviver, mas nós precisamos do planeta. Como humanos, precisamos despertar para isso.

Deixando o mundo em um lugar melhor

Ter meus próprios filhos tornou meu trabalho ambiental muito mais urgente. Não levamos nada conosco, então o que realmente importa é o que deixamos para trás. Quero tornar o mundo melhor para todas as crianças e deixá-las com as ferramentas certas para que possam continuar a aproveitar todos os tesouros da Terra e deixarem um impacto positivo em nosso mundo.

Com as crianças, o mais importante é dar o exemplo. Nós temos um jardim em casa, onde as crianças podem ver e entender quanto tempo leva para a vida crescer. Eles aprendem sobre como comer sazonalmente. Eles aprenderam que eu não compro morangos fora da estação. Eles sabem que o plástico é um grande problema. Mostrei a eles vídeos de baleias sendo encontradas no oceano com plástico dentro da barriga. Como eu, eles se tornaram sensíveis a essas coisas. É importante que eles entendam como a natureza funciona. Assim que sentirem a magia da natureza, eles vão adorar e, como resultado, vão protegê-la.

Tudo que eu escolho fazer na minha vida e no meu trabalho tem um propósito: “Como posso deixar o mundo um pouco melhor do que quando cheguei nele? Posso sentar aqui e reclamar de tudo que há de errado no mundo, mas isso não vai mudar nada. Se quisermos mudar o mundo, primeiro devemos mudar a nós mesmos.

Todos nós podemos fazer parte da solução

No meu aniversário de 40 anos, em julho, decidi plantar 40.000 árvores e convidei todos os meus fãs para participarem. Imagine se cada uma das 7,5 bilhões de pessoas que vivem neste planeta plantarem uma pequena árvore em homenagem a suas vidas. Na verdade, teríamos então sete bilhões e meio de novas árvores a cada ano. Em muito pouco tempo, regeneraríamos a Terra.

Essa ideia de regenerar a Terra também é o motivo pelo qual estou envolvida como produtora executiva do documentário da Netflix. ‘Kiss the Ground’ é um filme sobre agricultura regenerativa: como podemos cultivar alimentos e alimentar o solo, não apenas retirar nutrientes dele? Como podemos produzir alimentos de maneira sustentável? A ideia é tão inspiradora e voltada para soluções que o filme deixa os espectadores esperançosos e me fez sentir assim.

Na última década, fui embaixadora da boa vontade global para o Programa de Meio Ambiente da ONU. Durante esse tempo, aprendi coisas maravilhosas com uma grande variedade de seres humanos em todo o mundo aprendendo a superar desafios relacionados alimentos e água, e como chegar em soluções sustentáveis. É inspirador. Eu sou grata em poder usar minha plataforma para divulgar essas informações e conscientizar mais pessoas dessas questões.

Espero que todos possam se dar conta de que não podemos considerar a Mãe Terra como imortal. Este lindo planeta não é apenas nossa casa, é nossa fonte de vida. Cada um de nós pode fazer algo para contribuir para sua integridade. Podemos nos perguntar: ‘Que papel posso desempenhar para criar um impacto positivo no mundo?’ Cada ação e cada escolha que fazemos tem um impacto. Você quer fazer parte da solução ou parte do problema? Essa é uma decisão que cada um de nós deve tomar. Minha esperança é que todos comecemos a servir à vida.

Meu objetivo final é proteger nosso lindo planeta para meus filhos, para todas as crianças e por muitas, muitas gerações.

Gisele Bündchen se tornou o mais recente nome a fazer parceria com um aplicativo de meditação.

A supermodelo associou-se ao Insight Timer, um aplicativo gratuito para ansiedade, estresse e sono no qual ela lançou hoje sua primeira meditação guiada, Esperança em tempos de incerteza. De acordo com o anúncio de hoje, Bündchen continuará a adicionar meditações bilíngues gratuitas (inglês e português) todos os meses, com foco em questões globais como a atual pandemia da COVID-19, bem como uma meditação para pais e filhos.

Bündchen usará o novo recurso de transmissão ao vivo no aplicativo do Insight Timer para se conectar em tempo real com seus seguidores em outubro, para marcar o mês de Conscientização sobre Ansiedade e Depressão. Durante as palestras gratuitas, programadas para 10 de outubro em inglês (e 19 de outubro em português), Gisele irá compartilhar sua jornada de meditação e dar uma ideia sobre como torná-la um hábito diário.

“Escolhi [trabalhar com] o Insight Timer não apenas porque eles oferecem conteúdo diversificado e de alta qualidade para todos os gostos e necessidades, mas também porque oferecem a biblioteca gratuitamente, tornando-a acessível a mais pessoas”, diz ela, que usa o aplicativo há mais de quatro anos e diz-se que foi inspirado pelo modelo de negócios consciente e voltado para a missão do aplicativo. “A meditação transformou minha vida de maneiras incríveis e deu origem a uma nova fase da minha vida que me trouxe muito mais alegria e equilíbrio do que eu jamais havia experimentado. Continua a ser uma influência poderosa e positiva na minha vida hoje, e estou muito feliz por esta parceria com o Insight Timer ser capaz de compartilhar esta ferramenta incrível com o máximo de pessoas possível. ”

O CEO do Insight Timer, Christopher Plowman, tem o orgulho de desenvolver o relacionamento com Gisele de usuária a parceira. Ele acrescenta: “Com sua paixão por compartilhar meditação e seus seguidores internacionais, estamos entusiasmados em ter Gisele se aliando a nossa marca para trazer meditação gratuita para o planeta, especialmente durante estes tempos de grande estresse e ansiedade”.

No Insight Timer, Bündchen se junta a outros nomes notáveis como ​​Russell Brand, Elizabeth Gilbert, o Dalai Lama e Sherry Finzer.

Você pode ouvir a meditação guiada de Gisele aqui ou então baixando o aplicativo Insight Timer no seu celular.

 

Fonte: Hollywood Reporter

Gisele e Tom bombam com brincadeira no Tik Tok
08, Jun
postado por Carolina

Tom Brady e Gisele Bündchen bombaram na última semana. A super modelo resolveu se aventurar nos desafios do Tik Tok e o casal se apresentou de um jeito bem diferente do que os fãs estão acostumados.

Com a ajuda do filho Benjamin, os três responderam muitas perguntas. Para surpresa de todos, os fãs descobriram que o jogador de futebol americano tem mais roupas que a modelo brasileira.

Outro fato que surpreendeu é que Gisele é mais comilona do que Brady, mesmo com todas as exigências do mundo da moda. Ela fica mais irritada quando está com fome também.

Mas os dois se dividiram quando o assunto foi alimentação saudável… Mas, o jogador do Tamba Bay Buccaneers ganhou quando o assunto foi praticar esporte.

Além disso, ele é o mais mimado do casal, precisa de mais atenção e fica mais dengoso quando está doente.

Em compensação, os dois concordaram que Brady é mais paciente que Gisele.

Bündchen é a mais divertida e melhor cantora…

Os fãs não conseguiram saber quem dirige melhor e quem é o mais teimoso no casal. Já que nas duas perguntas Gisele respondeu Brady e Brady respondeu Gisele.

Mas Gisele admitiu que está sempre certa… só para o pequeno Benjamim não concorda, ele respondeu que é ele.

Assista ao vídeo completo.

Fonte: R7

Existem muitos tipos de modelos na indústria da moda, e em uma dimensão diferente se encontra Gise, como lhe chamam cariosamente os parentes e amigos. Difícil de catalogar – e, mais ainda, de estereotipar – sobre Gisele Caroline Bündchen (Horizontina, Brasil, 1980) já foram escritos rios de tinta. No entanto, sua vida continua a nos fascinar, pois além de acumular títulos e recordes que remetem à sua carreira profissional (a mulher mais linda do mundo, a número um do planeta, a que tem mais capas internacionais, a modelo mais bem paga …), a brasileira quebrou todos os padrões existentes e graças a sua integridade, sua generosidade e um modo de entender a vida que a torna única. Um exemplo perfeito disto? Ele não hesitou um segundo para abrir um buraco em sua agenda apertada (e complicada) para marcar o número da revista sustentável que você tem em suas mãos. Um compromisso que se tornou uma prioridade absoluta em sua vida e em que ela investe muitos recursos e energia.

Esta edição verde da ELLE é dedicada ao meio ambiente e sustentabilidade. Como Gisele Bündchen cuida do planeta?

Em 2004, após retornar de uma viagem pela selva amazônica, fiquei muito impressionada com o impacto negativo que o desmatamento e os resíduos tóxicos tiveram nas vidas das comunidades indígenas. Foi então que comecei a aprender mais sobre o assunto e comecei a usar minha influência e meus recursos para falar sobre diferentes causas sociais e ambientais. Sem um planeta saudável, a humanidade não sobreviverá. Porque a natureza e a humanidade estão interligadas. Se olharmos para o futuro, considero crucial que tomemos decisões conscientes para começar a reverter todos os danos que infligimos ao nosso planeta e que, assim, podemos não apenas desfrutar das maravilhas que a natureza nos proporciona, mas, além disso, as gerações futuras podem continuar a prosperar.

“Ao fazer minha meditação matinal, percebi que seria interessante compartilhar minhas experiências para ajudar outras pessoas. Foi assim que comecei a escrever meu livro.”

O acesso à água, um recurso básico e precioso, sempre lhe preocupou. Conte-nos sobre o seu projeto de água limpa.

O Projeto Água Limpa (www.projetoagualimpa.org.br) nasceu do desejo de deixar uma marca positiva na região onde nasci. Minha família e eu não apenas o começamos, mas também o financiamos. Durante cinco anos, nós plantamos mais de 40.000 árvores nas margens dos rios e cuidamos delas até crescerem. Estou feliz por ter realizado um impacto positivo e, durante o processo, ter aprendido muito. Isso me inspirou a continuar fazendo mais e mais.

Você está muito focada na proteção das florestas de selvagens, da natureza e dos animais e na importância de cuidar do meio ambiente para desfrutar de um mundo melhor. Como você educa seus filhos a respeito disso?

Eu acho que a melhor coisa é dar o exemplo. Muitas vezes falamos sobre o quão importante é tomar as decisões certas para proteger o planeta. Como mãe, sempre quis que meus filhos experimentassem a mesma felicidade e sentimento de conexão com a natureza que eu tive quando criança. É essencial que as crianças aprendam a respeitar, cuidar e honrá-la. É ela que mantém todas as formas de vida!

Vamos falar sobre o seu livro autobiográfico, Aprendizados: Minha Caminhada para Uma Vida com Mais Significado

É uma carta aberta sobre as minhas experiências de vida, os desafios que enfrentei e as lições que aprendi que me ajudaram a viver a vida com mais significado E tudo com a esperança de que sejam úteis para aqueles que podem estar vivendo experiências semelhantes. O livro está há 24 semanas sendo um best-seller no Brasil. Estou muito feliz em receber um feedback tão positivo e ver como isso ajudou e inspirou tantas pessoas.

O que te impulsionou a escrever um livro em que você conta suas memórias e suas experiências?

Escrevi um pouco à força, quando alguns amigos me perguntavam se eu poderia escrever cartas para pessoas que estavam passando por maus momentos. Ao compartilhar como eu superei certos desafios pessoais, senti muita alegria sabendo que havia ajudado ou inspirado outras pessoas. Ao fazer minha meditação matinal, comecei a perceber que poderia ser interessante compartilhar minhas experiências – como se fosse uma carta aberta – com mais pessoas e, assim, ajudar um número maior de pessoas. (more…)

Gisele Bündchen: Minha Jornada Para Fora da Escuridão

A supermodelo abre-se sobre a batalha contra os ataques de pânico e pensamentos suicidas – e é franca sobre sua imaginária vida perfeita com Tom Brady

Ela é uma das supermodelos mais bem paga do mundo, casada com um dos atletas mais bem pagos. Ela pode amamentar com uma mão enquanto se prepara para uma sessão de fotos de lingerie, ela medita todos os dias às 5 da manhã, e sua família é tão consciente da saúde que seus filhos nem querem doces de Halloween. Mas Gisele Bündchen está pronta para destruir a percepção de que sua vida é tão perfeita quanto parece.

Em um novo livro de memórias, Aprendizados: Minha Caminhada Para Uma Vida Com Mais Significado (com data de lançamento para dia 29 de outubro), Bündche revela que uma vez lutou contra ataques de pânico e pensamentos suicidas. Ela também admite que fez cirurgias plásticas que se arrependeu, e que acha a maternidade muito estressante – e sim, que ela e o marido Tom Brady brigam como casal.

“As coisas podem parecer perfeitas do lado de fora, mas você não tem ideia do que realmente está acontecendo”, diz ela, bebericando um pouco de chá no escritório de sua casa em Brookline, Massachussetts, que ela divide com o quaterback de 41 anos do New England Patritos, e seus filhos Benjamin (8), Vivian (5) e Jack (11), que é filho de Tom Brady com a atriz Bridget Moynahan. “Eu senti que talvez fosse hora de compartilhar algumas das minhas vulnerabilidades, e isso me fez perceber, tudo o que eu passei, eu nunca mudaria, porque eu acho que sou quem eu sou por causa dessas experiências.”

Uma das seis meninas criadas em Horizontina, no Brasil, por Valdir, um professor, e Vania, uma bancária, Bündchen, uma criança gêmea e do meio, diz que passou a infância se sentindo “não muito especial” – até ser descoberta por um agente de modelos em um shopping em São Paulo aos 14 anos.

Depois de um começo difícil na indústria (“Eles me disseram: ‘Seu nariz é muito grande e seus olhos são muito pequenos e você nunca vai estar na capa de uma revista’”, lembra ela), Bündchen a conquistou estreia em 1997, quando andou de topless no desfile da Alexander McQueen e apareceu na capa da Vogue no ano seguinte como o exemplo do “retorno da curva”. Creditada com a introdução de um visual sexy e atlético que substituiu a heroína chique dos anos 90, Bündchen tornou-se conhecida na indústria da moda como “os peitos do Brasil”. Em 2000, ela conseguiu um contrato recorde de 25 milhões de dólares com a Victoria’s Secret e começou a namorar Leonardo DiCaprio, fazendo dela uma referência nos tablóides.

Mas Bündchen – que agora é casado com o quarterback Tom Brady – diz que sua vida na pista rápida veio com uma sensação esmagadora de ansiedade.

Depois de ter seu primeiro ataque de pânico durante um vôo instável em um pequeno avião em 2003, ela desenvolveu um medo de túneis, elevadores e outros espaços fechados. “Eu tinha uma posição maravilhosa na minha carreira, eu estava muito perto da minha família e sempre me considerei uma pessoa positiva, então eu estava realmente me batendo. Tipo, ‘Por que eu deveria estar sentindo isso?’ Eu senti que não era permitido me sentir mal “, diz ela. “Mas me senti impotente. Seu mundo se torna cada vez menor e você não consegue respirar, o que é o pior sentimento que já tive. ”

Quando os ataques de pânico começaram a emboscá-la, mesmo em sua própria casa, Bündchen diz que ela pensou em suicídio.

“Eu realmente tive a sensação de, ‘Se eu simplesmente pular da minha varanda, isso vai acabar, e eu nunca tenho que me preocupar com esse sentimento do meu mundo se aproximando’”.

Depois de ver um especialista, que prescreveu Xanax, ela decidiu que não queria depender de medicação. “O pensamento de ser dependente de algo parecia, na minha opinião, ainda pior, porque eu pensava: ‘E se eu perder essa [pílula]? Então o quê? Eu vou morrer? ”A única coisa que eu sabia era que precisava de ajuda.

Com o conselho dos médicos, Bündchen começou uma revisão total do estilo de vida.

“Eu fumava cigarros, bebia uma garrafa de vinho e três mocha frappucinos por dia e desistia de tudo em um dia”, ela disse. “Eu pensei, se essa coisa é de alguma forma a causa dessa dor na minha vida, tem que ir.” Ela cortou o açúcar, começou a praticar ioga e meditação para combater o estresse e decidiu que era hora de repensar seus relacionamentos também. Percebendo que estava “sozinha” na busca por sua alma, ela rompeu com DiCaprio em 2005. Olhando para trás, ela não tem ressentimentos.

“Todo mundo que cruza nosso caminho é um professor, eles entram em nossas vidas para nos mostrar algo sobre nós mesmos”, diz ela. “E eu acho que é o que ele era. O que é bom versus ruim? Eu o honro pelo que ele era.”

Bündchen encontrou seu parceiro um ano depois quando foi apresentada à Tom Brady por um amigo em comum. Mas em 2007, com apenas dois meses de namoro, eles descobriram que a ex-namorada de Tom, Bridget Moynahan, estava grávida dele. “Não era a situação ideal para ninguém. Você sempre pensa: ‘vou casar, e aí terei meus filhos e minha família’, e aquela situação foi uma surpresa para todos nós”, diz ela. “Não há manual para te preparar para algo assim.”

Após o nascimento de Jack, “ele abriu meu coração de formas que eu não sabia que meu coração poderia expandir. Eu me apaixonei por ele e não conseguia imaginar minha vida sem ele. Chamo-o de meu filho bônus.”

Apesar das tensões relatadas sobre as duas mulheres no começo, Bündchen diz que agora elas se dão bem (Brady compartilha a guarda de Jack, que divide o tempo entre a casa dos pais). “Sou muito grata por ela”, diz Gisele. “Sei que foi difícil, mas isso me permitiu crescer. E na verdade, acelerou o processo para que Tom e eu quiséssemos nos casar e começar uma família. Queríamos que Jack tivesse um irmão ou uma irmã.”

Após se casar com Brady em 2009, Bündchen deu à luz ao filho Benjamin no mesmo ano, e à filha Vivian três anos depois. Ela diz que a maternidade foi uma adaptação mais difícil do que parecem pelas fotos invejáveis de seu Instagram. “Quando me tornei mãe, eu meio que me perdi. Foi como se uma parte de mim tivesse morrido”, ela disse. “Eu era essa pessoa muito independente. Tudo era sobre mim. Mas agora que eu tinha esse pequeno ser, de repente senti que não poderia fazer outras coisas, e foi muito difícil para mim. Tudo que sempre quis foi ser mão, mas quando você realmente está vivendo isso, é um choque.”

Embora ela tenha reduzido seus trabalhos para ficar mais tempo em casa (ela havia mudado-se de Nova York para Boston, onde Brady joga), “eu tinha essa terrível, auto-imposta culpa. Pensava que era uma mãe terrível por estar deixando meus filhos por um dia”, ela diz. Quando levava os filhos para o trabalho, “sentia aquela culpta também. Tipo, ‘aqui estamos no avião, e o bebê está chorando'”.

Assumindo a maior parte dos cuidados dos filhos (com ajuda de uma babá) quando Brady estava treinando – frequentemente de 6 da manhã às 6 da tarde – “você está sobrecarregado e cansado e não é o melhor parceiro”, ela admite. Bündchen diz que ela e o marido tiveram desentendimentos (ela o encorajou a aposentar-se nos últimos anos, em parte por conta de sua saúde a longo prazo) e ultrapassaram obstáculos (como o escândalo em 2015, quando Brady foi suspenso enquanto o NFL investigava alegações de que havia trapaceado ao jogar com bolas de futebol superinfladas).

“Quando alguém que você ama está feliz, te faz feliz, ou quando ele está triste, você fica triste”, ela diz. “Você sofre com ele e se alegra com ele”. Juntos, eles aprenderam a enfrentar as tensões. Bündchen lembra-se de um momento difícil quando ela e Brady estavam em países diferentes, e ele enviou um e-mail que a machucou. Ao invés de responder gentilmente, ela pôs sua fúria no papel e decidiu queimar as páginas. “Então falei para ele que estava pronta para falar quando ele estivesse preparado para retomar a conversa de forma amável e respeitosa”, ela lembra.

Eles se reconstruíram daquele momento, e ela diz: “Tom leu meu livro, mas nem perguntou sobre o que tinha naquela carta [que queimei]!”

Outro estresse que veio com a maternidade: amamentar cada um de seus filhos por mais de um ano deixou seus seios menores e de tamanhos um pouco diferentes, mudanças que afetaram sua auto-estima. “Sempre fui elogiada pelo meu corpo, e sentia que as pessoas tinham expectativas de mim que eu não podia suprir”, ela diz. “Me senti muito vulnerável, porque posso malhar, comer saudável, mas não posso mudar o fato de que meus dois filhos gostaram mais do seio esquerdo do que o direito. Tudo que queria é que eles fossem iguais, e que as pessoas parassem de comentar sobre isso.”

Em 2015, ela discretamente fez cirugia para aumento de seios – uma decisão da qual ela rapidamente se arrependeu. “Quando acordei, fiquei tipo: ‘o que eu fiz?’. Senti que estava em um corpo que não reconhecia. Durante o primeiro ano, usei roupas largas porque me sentia desconfortável.”

Brady foi sua fonte de apoio. “Ele apenas disse: ‘Eu te amo independentemente de qualquer coisa’, e disse que eu estava linda. Essa definitivamente foi outra lição: o que não te mata, fortalece. Mas gostaria que tivesse aprendido de outra forma.”

Desde que se “aposentou” das passarelas nas Olímpiadas no Rio 2016, ela tem selecionado trabalhos, focado em causas do meio-ambiente como iniciativas de limpeza d’água e preservação de floresta tropicasl e criando os filhos. “Eles estão realmente crescendo para ser os lindos anjinhos que são, e me sinto mais como sua guardiã”, ela diz.

E refletindo nos momentos escuros de sua vida ao juntá-los para suas memórias, Bündchen diz que foi um processo “de cura”. “Há muitas coisas que você passa na vida que você prefere não lembrar porque são muito dolorosas, mas sabendo o que sei agora, eu percebi que quando há aceitação, não há dor. Há liberdade”.

Veja os scans da revista: